Mostrando postagens com marcador show. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador show. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 12 de maio de 2022

547 filantrópicas do Sua Nota é um Show recebem R$ 3 milhões do Estado



O Governo do Estado, por meio da Secretaria da Fazenda (Sefaz-Ba), repassou o montante de R$ 3 milhões a 547 instituições filantrópicas ativas e regulares na 13ª etapa (da 3ª fase) do programa Sua Nota é um Show de Solidariedade. A premiação é obtida por meio da campanha de cidadania fiscal Nota Premiada Bahia, e o valor corresponde às pontuações acumuladas pelas instituições no período de 1º de janeiro a 30 de abril de 2022. Do total, foram repassados R$ 1,5 milhão para as entidades que atuam na área social e R$ 1,5 milhão para as da área de saúde. Os recursos estarão nas contas das entidades na segunda quinzena de maio.

segunda-feira, 14 de março de 2022

Tem shows de segunda a sábado no Largo do Cruzeiro do São Francisco



Palco montado no centro do Largo recebe shows de forró, axé, sertanejo, salsa, merengue, chorinho, MPB e samba

A semana começa e termina ao som de boa música no Largo do Cruzeiro do São Francisco, palco de shows de forró, MPB, salsa e merengue, chorinho, samba, axé e sertanejo. De segunda a sábado, das 18h às 21h, talentosos artistas com carreiras de sucesso na Bahia movimentam a vida cultural do Centro Histórico. Esta semana  se apresentam Gel Barbosa, Luisito Gutierrez, Claudya Costta,  Aline Souza, o grupo Gente do Choro e Dinho Reis. Os shows são patrocinados pelos restaurantes Boteco do Pelô, Cuco Bistrô, Maná Grill e Odoyá, todos localizados no Largo do Cruzeiro do São Francisco. Confira a programação dia a dia:

sexta-feira, 28 de janeiro de 2022

Samba do Liba reúne em show todo tipo de samba!



A Casa da Mãe recebe neste sábado, dia 29 de janeiro, a partir das 22h, o “Samba do Liba”. No repertório, muito samba ! Tradicional, de Raiz, de Roda, mas também Partido Alto, chorinho e ijexá.  O “Samba do Liba”  é formado por Elvio Magalhães (cavaco), Patrícia Ribeiro (voz), Riquinho (percussão), Thiago Leite (voz e violão) e Vitor Ribeiro (percussão).  O couvert) custa R$ 15,00 e é preciso fazer reserva pelo telefone 71 98732-5803. A abertura da Casa da Mãe, que fica na  Rua Guedes Cabral, 81, no Rio Vermelho, é às 19h. O bar e restaurante segue todas as normas e diretrizes dos órgãos de saúde com o uso obrigatório de máscara, apresentação de comprovante de vacinação e distanciamento entre mesas, entre outros.


Que samba é este?

O Samba do Liba nasceu que nem bebê mesmo, sem nome nenhum, em julho de 2016. Veio ao mundo apenas como uma reunião de amigos músicos, no Bar do Espanha, nos Barris, em Salvador. Juntos eles mostravam suas poesias e, “de quebra”, tocavam samba. Na época o Bar do Espanha era de Joseph, que não era espanhol, era libanês, mas que gostava de samba e abraçou a ideia de fazer aquele grupo de músicos ainda sem batismo passar a tocar lá todas as sextas-feiras.

O negócio começou a dar certo, o movimento aumentou, as pessoas começaram a procurar saber nas redes sociais se "nessa sexta ia ter o Samba do Libanês?” E aí, não deu outra, o grupo foi batizado : Samba do Libanês ! Hoje, para facilitar mais as coisas, o nome virou quase um apelido entre amigos, e o grupo se chama Samba do Liba.

Do Bar do Espanha o Samba do Liba saiu ganhando o mundo, tocando em vários locais de Salvador e para além das terras quentes da capital da Bahia. Desde 2018 seus componentes são os mesmos - Elvio Magalhães (cavaco), Patrícia Ribeiro (voz), Riquinho (percussão), Thiago Leite (voz e violão) e Vitor Ribeiro (percussão). E o samba que eles fazem passa pelos grandes clássicos, mas se lança em outras aventuras também. Eles tocam Ijexá, Chorinho, Partido Alto, Samba Raiz e claro, Samba de Roda. Fazem um verdadeiro resgate de tudo que é bom, com o desejo de  levar sua mensagem para mais e mais pessoas, ampliar  horizontes, lançar música boa no mundo!

E o Samba do Liba tem feito isso em boa companhia... Dividiu o palco com artistas de renome como Edil Pacheco, Waldir Lima, Gal do Beco e Lazzo Matumbi. Participou do lançamento do livro “Puçangas”, do compositor Roque Ferreira, e foi a banda que homenageou o artista, interpretando as composições do mestre. Em agosto de 2018 a família de Batatinha fez uma homenagem a este outro grande mestre, exibiu na Praça Quincas Berro D´Água um documentário sobre ele e o Samba do Liba ficou encarregado de fazer a homenagem musical, acompanhando os artistas que se apresentaram. Fora isso, o Samba do Liba marca presença todos os anos na Lavagem do Bonfim, no Botequim Barbell, na Festa de Yemanjá, no Gema Botequim, no Rio Vermelho e toca no Restaurante Preta, em Ilha dos Frades. Mas quem faz o Samba do Liba?

 

Quem faz este samba?

Elvio Magalhães - Começou sua carreira aos 16 anos e partiu para estudar Música  na Universidade Federal da Bahia . Ensinou cavaquinho e Teoria Musical Elementar, e já fez parte de diversos grupos de samba e choro de Salvador, dentre eles, Samba quem Bossa, os DezCompromissados. Toca o Liba desde 2018.

Patrícia Ribeiro - Começou sua formação artística no Centro Musical Teodoro Salles, em 2014. Em 2015, passou a fazer parte do elenco do Teatro Vila Velha, onde participou de espetáculos musicais como “Alice Através do Espelho” e “Trilogia de Matei Visnieck”. Em junho de 2015 começou a cantar no Grupo Samba das Águas. No mesmo ano montou o Coletivo Samba das Rosas, com 10 mulheres, cantando e tocando samba num tributo a Clara Nunes. O espetáculo resultante deste encontro teve temporadas no Teatro Vila Velha, Teatro Solar Boa Vista e no Bar Toalha da Saudade. Fundou, em junho de 2016, o Samba do Libanês.

Thiago Leite - Professor de violão e violonista que já passeou pelo forró, rock, bossa nova, choro e agora se encontrou no samba. Se destaca trazendo a vertente do 7 cordas no 6 (quem é leigo não entende isso). Já dividiu o palco com o grupo Botequim e Juliana Ribeiro. Já fez parte dos grupos  Sambão pra Jorge, Samba das Águas e atualmente está no no Samba do Liba.

Riquinho do Pandeiro - Pedro Henrique começou sua carreira musical aos 15 anos, como percussionista. Em sua trajetória já tocou em bandas como Samba de Arerê, Samba Mocidade, Sampartido e faz parte do Samba do Liba desde 2019.

Vítor Cardoso - Mais conhecido como Vitinho, é um percussionista do Engenho Velho de Brotas, um dos bairros mais musicais de Salvador. Com mais de 18 anos dedicados à música, Vitinho acumula passagens por diversas bandas de Salvador, entre elas Fora da Real, Só Na Paquera e Samba de Arerê. Integrante do Liba desde  2018, Vitinho também já dividiu o palco com diversos Ícones da música brasileira como Carla Visi, É o Tchan, Nelson Rufino e o grande mestre Walmir Lima.

Recentemente o percussionista participou do documentário Riachão - O Retrato Fiel da Bahia. Uma homenagem aos 100 anos do mestre Riachão.

segunda-feira, 8 de novembro de 2021

A Lei Rouanet precisa de uma reforma urgente

Criada no ano de 1991 quando o presidente da república era o carioca e radicado alagoano, Fernando Collor, a Lei Rouanet foi um marco para o setor cultural do Brasil. Ela, desde a sua criação, fomentou a Cultura em boa parte do país. Mesmo em lugares nunca antes beneficiados por qualquer incentivo governamental.

Qualquer brasileiro ou brasileira, desde que comprove o seu trabalho na área cultural, pode apresentar projetos junto ao órgão competente solicitando a aprovação do mesmo e passando por esta etapa, poderá ter acesso aos benefícios que a lei concede.

sexta-feira, 6 de agosto de 2021

Palco TVE de agosto exibe shows de artistas nordestinos



Em agosto, o Palco TVE vai exibir aos sábados, os shows de Pietro Leal, Ana Paula Albuquerque, Nino Alves, Pedro Pondé e Duquesa. A exibição acontece a partir do dia 7 e vai até o dia 28, às 18h30, com horários alternativos aos domingos, às 17h e 20h, e nas sextas-feiras, às 20h30.

‘Estereótica’ é o primeiro trabalho autoral solo do artista baiano Pietro Leal e vai ao ar no sábado (7). O projeto, selecionado pelo ‘Prêmio das Artes Jorge Portugal 2020 - Premiação Aldir Blanc Bahia’, traz muitos gêneros para mostrar uma fase mais madura e um lado mais fértil em ideais e sons. O artista faz um passeio por sua obra com músicas e poesias, une faixas e bate-papo em um espetáculo que mostra a canção sob a ótica do compositor, no qual ele conta como os processos de mudança influenciam a sua percepção de mundo. Ao todo são 12 faixas, três dos tempos de Pirigulino e outras inéditas. Entre elas, destaque para ‘Passe Pra Frente’, parceria com o poeta Luiz Galvão, do grupo Novos Baianos. A homenagem ao grupo é vista também em ‘Mistério do Planeta’, única não-autoral escolhida pelo artista como referência musical importante na sua carreira.

No dia 14 é a vez da cantora, compositora, arranjadora e professora de canto popular da Escola de Música da UFBA e da Escola Baiana de Canto Popular, Ana Paula Albuquerque apresentar ao público o seu segundo disco, "Omaremim", resultado do projeto que a artista maranhense, criada no Pará, desenvolve há quatro anos sobre a sua relação com o mar. O trabalho conta com músicas de mestres como Dona Ivone Lara, Dorival Caymmi e Roberto Mendes; uma parceira de Ana Paula com José Carlos Capinan e Gabriel Póvoas, composições de Gil Vicente Tavares, Juliano Holanda e de cantautoras de diferentes gerações, como Regina Machado, Déa Trancoso e as baianas Sandra Simões, Ivana Gaya e Pamela.

Novo decreto estadual mantém proibição de shows e festas, mas suspende toque de recolher na Bahia



O Governo do Estado publica nesta sexta-feira (6) um novo decreto que estabelece medidas relacionadas ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus, flexibilizando algumas atividades, de acordo com a taxa de ocupação de leitos de UTI Covid. O novo decreto não estabelece mais a restrição de locomoção noturna, conhecida como toque de recolher.

De acordo com o decreto n° 20.623, que passa a vigorar a partir desta sexta, ficam autorizados, até 17 de agosto de 2021, os eventos e atividades com a presença de público de até 300 pessoas, tais como: cerimônias de casamento, eventos urbanos e rurais em logradouros públicos ou privados, circos, parques de exposições, solenidades de formatura, passeatas e afins, funcionamento de zoológicos, museus, teatros e afins. Esta liberação não inclui a realização de shows e festas.

Nos municípios integrantes de Região de Saúde em que a taxa de ocupação de leitos de UTI COVID se mantenha, por cinco dias consecutivos, superior a 60%, eventos e atividades poderão acontecer com público de até 100 pessoas. Eventos esportivos em todo o estado continuam a acontecer, porém sem a presença de público.